Após conhecer o pai, brasileira vai defender a Guiné-Bissau no Mundial

Partilhar está notícia nas redes sociais.

Pernambucana Taciana Lima, da categoria até 48kg, só conheceu Óscar Suca Baldé pessoalmente em 2012, ‘virou’ guineense e até já tem títulos pelo país

 

A judoca Taciana Rezende de Lima Baldé, de 29 anos, não terá vida fácil no Mundial de judô do Rio de Janeiro, que começa na próxima segunda-feira, no Maracanãzinho. Judoca do peso ligeiro (48kg), ela está na chave da atual campeã olímpica, a brasileira Sarah Menezes. Nascida em Olinda, em Pernambuco, e morando há anos em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, Taciana é uma brasileira genuína, mas defenderá outro país na competição: a Guiné-Bissau. E a opção da atleta de competir por outra bandeira tem tudo a ver com seu pai, que é do país da costa ocidental da África, colônia de Portugual, com 1,5 milhão de habitantes e uma grande variedade de etnias.

A história é bastante curiosa e remete aos anos 80. Naquela época, o jovem Óscar Suca Baldé, que veio da Guiné-Bissau para fazer faculdade de Engenharia no Brasil, conheceu a mãe de Taciana. Os dois se apaixonaram, e a moça engravidou. Mas, ao término dos estudos, o africano precisou voltar para seu país. Com o tempo, os dois perderam completamente o contato. Ele nem ao menos sabia o nome da filha e chegou a voltar ao país três vezes, mas não conseguiu contato, já que Taciana se mudou com a mãe e o padrasto para o Rio Grande do Sul.