“DJURTUS” DERROTADOS NA PRIMEIRA MÃO EM CASA POR 1-3

Partilhar está notícia nas redes sociais.

A selecção nacional de futebol local foi derrotada este sábado, 15 de Julho, por 1-3 pela selecção da Guiné Conakry, no jogo da primeira mão da eliminatória para CHAN 2018 que se disputará no Quénia.

O único golo da turma nacional foi apontado por Juca, o avançado de Lagartos de Bambadinca aos 68 da partida, quando ainda estavam em desvantagem por uma bola a zero.

Sem grande apoio do publico nas bancadas do estádio nacional 24 de Setembro, a selecção nacional entrou apática e sem ideias do jogo e foi apanhado de surpresa pela selecção da vizinha Conakry que protagonizou uma excelente partida de futebol e dominou todo o encontro que acabou por traduzir em três golos sobretudo na segunda parte do jogo.

Na verdade, a selecção nacional composta apenas por jogadores que militam no futebol interno queixou das más condições físicas resultante das péssimas condições em que prepararam o encontro, uma vez que só entraram em estágio há dois dias do jogo.

Porem, a selecção de Guiné-Conakry chegou e impôs “o acordo de Conakry” dominou totalmente o jogo, instalando-se no meio campo e logo nos minutos iniciais mostrou a sua ambição de vencer a partida e colocar um pé na frente da eliminatória.

Contudo, o avançado da selecção nacional, Edi Pedro desperdiçou a maior oportunidade de golo na primeira parte, aos 17 minutos o avançado apareceu sozinho na cara de guarda-redes e colocou a bola ao lado de poste direito da baliza.

A partir desse momento os Conakry guineenses aumentaram a intensidade no jogo através de jogadas bem organizadas desde a sua zona defensiva e criaram varias oportunidades de golo na primeira parte e muitos não entraram pela culpa de guarda-redes da turma nacional, Carlos Correia (Casilas) que fez uma excelente partida, que foi resultou na sua eleição como melhor homem por parte da turma nacional.

Na segunda parte, a selecção visitante aumentou a intensidade no jogo através de circulação de bolas e jogadas criteriosas de trás para frente. Povoaram mais homens no meio campo e circularam a bola em toda largura do rectângulo do jogo e penetravam a área da turma nacional com facilidade.

Aos 57 minutos a selecção visitante abriu o marcador por intermédio de camisa numero 10, Seide Bá Camará, depois de receber um passe soberbo de Ibraim Seicum Bangura que tirou dois homens de caminho. Por culpa de uma total desorganização defensiva da selecção nacional, Seide Bá Camará apareceu sozinho na cara de Casilas e depois deste ter defendido a primeira tentativa do avançado e este de segunda encostou o esférico para fundo das redes e colocou a sua equipa pela primeira vez em vantagem.

Volvidos onze minutos depois, aos 68 minutos, o recem entrado, Juca que precisou apenas de cinco minutos no campo para restabelecer a igualdade. O avançado recebeu um passe de Toni da Silva numa jogada iniciada por Erikson que interceptou um passe mal executado por guarda redes de Conakry e sem perder tempo deu para tony que passou por um defensor e na linha de fundo fez um passe rente ao relvado para Juca que só tinha para fazer o que era mais fácil, encostando o esférico para fundo das malhas.

A reação Conakry guineense não fez por esperar, aos 75 minutos, Mohamed Camará que acabava de entrar e na sua primeira intervenção no lance, fez o 1-2, aproveitando a passividade da defensiva de “Djurtus”. E Seco Bangurá fechou a contagem por 1-3, aos 77 minutos na transformação de uma grande penalidade bem executada.

Nos minutos finais, Guiné-Conakry podia dilatar a vantagem, mas graças a guarda-redes, Casilas que fez excelentes defesas que acabaram por impedir muitas tentativas dos visitantes.

A derrota coloca os “Djurtus” em desvantagem para o jogo da segunda mão a disputar no próximo sábado, em Conakry. A selecção nacional é agora obrigada a vencer por duas bolas a zero, no próximo jogo, para poder seguir em frente na prova.

Texto de “O Democrata”