MUNIRO CONTÉ ” SE O GOVERNO NÃO FINANCIAR A VIAGEM, JAMAIS FORMALIZAREMOS UM PEDIDO AO MINISTRO DOS DESPORTOS”

Partilhar está notícia nas redes sociais.

O Líder da federação da luta livre, Muniro Conte advertiu esta segunda feira, que se o governo não disponibilizar fundos para a participação do país no campeonato de mundo da modalidade, com inicio previsto para próxima quarta-feira, jamais a sua instituição vai formalizar qualquer pedido enquanto, Tomas Barbosa continuar como ministro dos desportos.

Reagindo as declarações do ministro da tutela, que acusou a federação de não apresentar os relatórios da suas participações nas provas internacionais, Conté sublinhou, que se governo não financiar a participação dos atletas no certame, vão procurar outros meios para a cobrir as suas despesas.

Muniro Conté, esclarece que enviaram o pedido ao ministério desde passado dia 05 de Julho, e só quando faltava seis dias para a data da partida é que receberam uma resposta verbal em que o ministério de desporto pediu para retirar um elemento da caravana composta por cinco elementos.

Na sua declaração a imprensa, Tomas Barbosa disse que o governo não pode continuar a disponibilizar os fundos e as federações continuam a não apresentar contas.

Em declaração ao “O Golo Gb” e Radio Jovem, Muniro Conté disse que o pedido chegou ao ministério mais de um mês e só nas vésperas da partida da caravana nacional que receberam resposta verbal e não escrito do governo.

Federação de luta precisa de 10 milhões de francos cfa para participar no torneio, e se o país não participar no torneio corre riscos de perder as bolsas olímpicas que permitem os atletas a estarem em condições de conquistar medalhas nas provas internacionais.

Segundo Muniro Conté, caso o governo não disponibilizar verbas financeiras, a federação vai recorrer outras instituições internacionais para cobrir as despesas da participação dos atletas nacionais no campeonato do mundo, que se disputará em França, de 23 à 30 do mês em curso.

Por outro lado, Conté lembrou que a participação do país no torneio em Marrocos, em que até então as despesas feitas pela federação não foram pagas até data presente.

Apesar das divergências entre os dirigentes do país, os atletas continuam a treinar nas péssimas condições, sem estágio, em que se encontram alojados na casa do presidente da federação, quem custeia as suas alimentações e transportes.

Segundo dados disponíveis, nos três últimos anos, a federação de luta livre trouxe 19 medalhas ao país, todos sob liderança de Muniro Conté.

Por: Alcene Sidibé